Grupo de jovens empresários discutindo plano de negócios no escritório

72% dos jovens pertencentes à geração Z designam a Internet como o primeiro canal para consultar informações sobre câncer, em comparação com 90% da geração bebê Boom, que prefere consultar seu médico de referência. Esta é uma das conclusões do " Merck Survey: gerações e seu conhecimento sobre o câncer" promovido pela empresa de ciência e tecnologia Merck com o apoio técnico da empresa de consultoria GAD3. O objetivo é detectar o grau de conhecimento e percepção que os espanhóis têm sobre o câncer e se isso varia entre as diferentes gerações da geração Z (18-26 anos) e milenar (27-39 anos) até a geração X (40-51 anos) e Baby Boom (52-71 anos).

A pesquisa da Merck mostra o papel inquestionável de páginas da web e redes sociais como fonte de informação sobre câncer, especialmente para as gerações jovens. Também a ignorância de tumores tão comuns quanto o cólon – o segundo mais diagnosticado na Espanha – que revela a necessidade urgente de informações e conscientização de qualidade para prevenção ” observa Montse Jansà, diretora da Unidade de Oncologia de Merck.

Este estudo revela que o tumor com maior conhecimento é o da mama (60% afirmam ter muito ou muito conhecimento). É seguido por câncer de pulmão sobre o qual 51% dos espanhóis consideram bem informados. O grau de conhecimento sobre os outros tipos de câncer é bastante limitado. Assim, pouco mais de um terço afirma ter um "nível aceitável de conhecimento" sobre câncer de ovário, melanoma ou colorretal. Quanto à bexiga e aos rins, eles são conhecidos apenas por 21% dos espanhóis. A mais desconhecida é a cabeça e o pescoço (18%), que inclui tumores localizados na cavidade oral, faringe, laringe, cavidade nasal e glândulas salivares.

“Na Merck, além da nossa trabalho de pesquisa para melhorar a vida das pessoas, realizamos campanhas de conscientização para aumentar o conhecimento sobre o câncer e, assim, contribuir para sua prevenção e diagnóstico precoce ", enfatiza Montse Jansá .

Qual é a doença mais temida pelos espanhóis?

72% dos entrevistados indicam câncer como a doença que lhes causa mais medo, apenas para à frente de doenças neurodegenerativas e raras. Por tipo de tumor, a pesquisa mostra que o câncer de pulmão é o mais temido pelas pessoas da Geração X e do Baby Boom (acima de 40 anos). No entanto, aqueles pertencentes à geração Z e à geração Y colocam o câncer de cabeça e pescoço em primeiro lugar, o que curiosamente é o mais desconhecido.

Por outro lado, mais da metade dos espanhóis (55%) afirma ter medo de sofrer Covid-19 ; no entanto, e apesar da situação atual, a doença mais temida, independentemente da geração, continua a ser .

Eles apontam para o tabaco, mas muitos não param de fumar

Independentemente da idade, 79% dos entrevistados indicaram tabaco como a principal causa de câncer e 76% o relacionaram a fatores genéticos . Quase metade (48%) aponta para dieta pobre como a origem do aparecimento desta doença, 37% para o consumo excessivo de álcool e 31% para o estresse .

Nesta linha, 65,5% dos espanhóis dizem que cuidam de seu estilo de vida muito ou o suficiente para prevenir o câncer. Assim, 65% monitoram sua dieta, 54% praticam mais exercícios físicos e 40% fazem exames médicos com mais frequência. " A pesquisa mostra que, independentemente da idade, menos de 40% pararam de fumar ou fumam menos para evitar a doença ", destaca Montse Jansà.

História familiar e testes de diagnóstico

65% das pessoas entrevistadas têm um membro da família que teve câncer e, pelo menos, 79% consideram que ter a doença está intimamente ligado a ter parentes diretos que a tiveram sofrido anteriormente. No entanto, apenas 54% dos espanhóis com história foram submetidos a testes de triagem, uma porcentagem que diminui nas gerações mais jovens (com menos de 27 anos), onde apenas 34% passam por análises médicas.

Apenas 1 em cada 3 espanhóis (35%) passou por algum tipo de teste para detectar câncer, um número que aumenta para 54% no caso de pessoas com mais de 50 anos de idade.

No que diz respeito aos principais testes de diagnóstico para, por exemplo, câncer de cólon – que, diagnosticado em estágio inicial, tem uma taxa de sobrevivência de 90% -, a pesquisa indica que mais de 90% da população os entrevistados afirmam que já ouviram falar de colonoscopia (embora cerca de 15% da geração Z o vincule erroneamente a um teste usado para prevenir a constipação) e até 72% têm alguma informação sobre exame de sangue oculto nas fezes porcentagem aumentada Especialmente entre aqueles com mais de 40 anos (isto é, nas Gerações X e Baby Boom).

Dois terços da população não sabem em que consiste a biópsia líquida e apenas 40% a associam a obtenção de amostras de sangue. As gerações mais jovens (Geração Z e Milenar) mostram um nível mais alto de conhecimento a esse respeito.