A Sociedade Espanhola de Endocrinologia e Nutrição (SEEN), por ocasião da Dia Europeu do Hormônio, que se realiza pela primeira vez hoje, 23 de maio, salienta a relevância de as instituições públicas e a sociedade em geral saberem em que consistem as perturbações hormonais, a importância do seu diagnóstico e tratamento, bem como a necessidade de recorrer a profissionais com e formação científica. Por esta razão, a SEEN adere à celebração deste dia, uma decisão adotada pela Sociedade Europeia de Endocrinologia (ESE) e sua Fundação, “para conscientizar a sociedade sobre essas deficiências”sublinha a Dr. Alberto Fernández, secretário da SEENque afirma que “Os desequilíbrios hormonais são comuns e às vezes mal compreendidos. Além disso, podem ter consequências negativas para o organismo, por isso ediagnóstico precoce é fundamental e juntamente com um tratamento baseado em evidências científicas para alcançar uma melhora significativa na saúde”.

Os hormônios são mensageiros biológicos do corpo, pois são moléculas, de natureza peptídica ou lipídica, produzidas pelas células do corpo e liberadas no sangue por onde transitam para atingir diferentes tecidos e órgãos-alvo, controlando inúmeras funções e intervindo em processos como crescimento e desenvolvimento, metabolismo e reprodução. Nesse sentido, o Dr. Raúl Luque, membro da SEEN, Sustenta que “Se há falta ou excesso na produção de hormônios, o desequilíbrio no organismo é imediato.. Por esta razão, devemos evitar que nosso corpo produza e libere esses hormônios de forma descontrolada, causando o aparecimento de graves problemas de saúde, embora felizmente os profissionais endócrinos atualmente tenham tratamentos terapêuticos que visam aliviar esses desequilíbrios hormonais”.

Distúrbios hormonais podem ter consequências sérias no organismo, que depende do tipo de hormônio alterado e da duração dessa alteração. Um exemplo são as anormalidades na produção de hormônios hipofisários, como a acromegalia, uma doença endócrina rara causada por um tumor que causa produção excessiva de hormônio do crescimento (GH)”, explica o Dr. Luque. Quanto aos sintomas dos pacientes que sofrem desta doença, o Dr. Luque indica que eles correspondem a aumento das mãos e dos pés, alteração dos traços faciais, aumento da mandíbula e da testa, assim como do coração, entre outros. As dores de cabeça também são muito comuns e, se o tumor hipofisário for grande, pode comprimir as vias ópticas e causar dificuldades visuais”, adicionar.

Da mesma forma, o diabetes é outro caso de alteração hormonal, uma doença crônica de longo prazo que é causada por um defeito na produção e secreção de insulina no sangue ou porque as células param de responder à insulina. “Isso leva a altos níveis de glicose no sangue, ou seja, hiperglicemia, causando sérios problemas de saúde ao longo do tempo, como doenças cardíacas, perda de visão e problemas nos pés e nos rins”. especifica este especialista.

Causas de desequilíbrios hormonais

Os sintomas que indicam um distúrbio hormonal podem ser alterações no peso corporal e comportamento, cansaço e distúrbios do desenvolvimento, entre outros. Além disso, às vezes os afetados sofrem de desequilíbrios hormonais, mas são assintomáticos ou apresentam sintomas muito leves, por isso é fundamental estar atento às manifestações pelo corpo (desconforto, dor, etc.). Nas palavras do Dr. Luque, “Causas comuns de desequilíbrio hormonal podem incluir o consumo de alguns medicamentos, tratamentos contra o câncer, maus hábitos como má alimentação ou distúrbios nela, falta de sono, estresse, lesão ou trauma, entre outros”.

No que diz respeito à investigação, importa referir que nos últimos anos têm sido abordados os mecanismos celulares e moleculares associados aos desequilíbrios hormonais e, embora tenham sido descobertos muitos factores que estão directamente envolvidos nestas alterações, tais como alterações genéticas, problemas na sinalização celular, a desregulação dos mecanismos moleculares que controlam a expressão gênica e o metabolismo do RNA, mais pesquisas são necessárias para descobrir as razões desses desequilíbrios, que são influenciados por muitos aspectos, como sexo, idade e estado metabólico das células.

Como eles afetam a qualidade de vida?

Os desequilíbrios hormonais têm uma influência considerável no humor das pessoas, no qual também intervêm diferentes variáveis, como o ambiente social e físico, a alimentação, os padrões diários de sono, o exercício, entre outros. Esse aspecto é especialmente relevante no caso de mulheres que, da puberdade à menopausa, experimentam alterações de humor causadas por flutuações hormonais contínuas e cíclicas (estrogênios e progesterona) que afetam várias células do corpo, principalmente no hipotálamo. “Os transtornos de depressão e ansiedade são mais frequentes em mulheres do que em homens, o que também está diretamente relacionado às alterações hormonais. Por isso, para gozar de boa saúde e bom estado de espírito é importante que os hormônios estejam em equilíbrio e não haja desequilíbrios”, insiste o Dr. Fernandez. Nesse sentido, um déficit de adrenalina, o hormônio do estresse, pode causar depressão, baixa motivação, desinteresse e apatia. Ao contrário, as endorfinas, que são hormônios que estimulam o prazer e têm efeito relaxante no corpo, no caso de superprodução, podem desencadear estados de euforia e bem-estar.