Embora muito mais tolerado socialmente do que outros vícios, não se engane! O consumo de álcool constitui uma das principais causas de morte em todo o mundo e é um produto cancerígeno, mesmo em baixas doses . [19659003] O álcool está presente, em quantidades variáveis, tanto em bebidas destiladas quanto fermentadas (vinho ou cerveja) e é um produto cancerígeno, mesmo em doses baixas. Uma declaração clara da Sociedade Espanhola de Medicina Familiar e Comunitária (semFYC) que endossa a Agência Internacional de Pesquisa do Câncer (IARC) garantindo que é um carcinógeno do Grupo Um para o qual "não há nível seguro de exposição".

Embora nos últimos anos alguns estudos científicos tenham sugerido que, em pequenas quantidades, poderia reduzir o risco de certas doenças, como ataque cardíaco ou diabetes, " aqueles As mesmas quantidades de bebidas alcoólicas aumentam as chances de sofrer de outras doenças, como alguns dos cânceres mais frequentes na população em geral: cólon, esôfago e mama, entre outros ” afirma Rodrigo Córdoba García, coordenador do Grupo de Educação em Saúde do Programa de Atividades Preventivas e Promoção da Saúde do semFYC.

Assim, uma meta-análise da revista Nature publicada em 2014 estima que o risco de câncer digestivo associado ao consumo de álcool aumenta entre 10 e 30% para cada duas unidades de álcool consumidas por dia. O risco de câncer de esôfago aumenta em 26% com doses inferiores a 12,5 g / dia e em 79% com doses entre 12,6 e 49,9 g / dia. De 15 a 30 g / dia, o risco de câncer de fígado e cólon aumenta 16%. O consumo de menos de 25 g / dia foi associado a um risco aumentado de câncer de mama. Na mesma linha, o Estudo EPIC (Estudo Prospectivo Europeu sobre Dieta, Câncer e Saúde) descobriu que 10% dos cânceres em homens e 3% em mulheres estão significativamente relacionados ao álcool.

Como uma bebida se transforma em câncer

. As razões que tornam as bebidas alcoólicas cancerígenas têm a ver com o fato de que o metabolismo do etanol em acetaldeído é provavelmente cancerígeno para os humanos e pode danificar o DNA e as proteínas; a geração de processos de oxidação celular; diminuição da absorção de vitamina A, C, D, E, carotenóides e folatos; e concentrações crescentes de estrogênios. " As bebidas alcoólicas também podem conter vários contaminantes cancerígenos que são introduzidos durante a fermentação e produção como nitrosaminas, amianto, fenóis e hidrocarbonetos", explica o Dr. Córdoba.

O álcool não pode fazer parte de uma dieta saudável: “Além de ser cancerígeno, longe de ser um protetor do coração, aumenta o risco de doenças hipertensivas, acidente vascular cerebral hemorrágico e fibrilação atrial. É também responsável por notáveis ​​danos sociais, mentais e emocionais, incluindo crimes e todo tipo de violência, que acarretam enormes custos para a sociedade ”, alerta o especialista.

Álcool e câncer: quanto é muito? [19659011] Partindo da ideia de que não existe consumo de risco zero, o consumo de baixo risco não deve exceder 2 unidades de álcool por dia em homens e uma em mulheres, o que equivale a um ou dois copos de 100 cc de vinho ou 250 cc de cerveja.