Um estudo epidemiológico liderado pelo pesquisador do Instituto Catalão de Oncologia (ICO) / Instituto de Pesquisa Biomédica Bellvitge (IDIBELL), Marta Crous-Bou e Universidade de Harvard avaliou o associação entre o consumo de café e o risco de câncer de endométrio, que é o tumor ginecológico mais comum em mulheres em países desenvolvidos depois de mama, cólon e/ou pulmão.

No estudo, que foi realizado combinando dados de mulheres de todo o mundo incluídas no consórcio ‘E2C2, Epidemiologia do Consórcio de Câncer Endometrial’, Observou-se que o consumo de café tem um ‘efeito protetor’ contra o risco de câncer de endométrio. Esta descoberta pode ter um impacto importante, uma vez que o café é a bebida mais consumida no mundo depois da água e pode ter um efeito benéfico na saúde pública global.

Como foi realizado este estudo?

Para realizar este estudo, o maior até o momento, dados de mais de 40.000 mulheres, algumas com câncer de endométrio (cerca de 12.000) e o restante livre da doença. Além disso, alguns fatores de risco específicos para a doença foram levados em consideração, como obesidade, risco de diabetes, tabagismo ou idade da menopausa, entre outros.

A partir disso foi observado que as mulheres que bebiam café tinham um risco cerca de 10% menor de câncer de endométrio. Além disso, também foi possível constatar que essa diminuição foi ainda mais importante nas mulheres com sobrepeso ou obesidade, principal fator de risco para o acometimento dessa doença, e nas quais o efeito benéfico do café e seus compostos é mais evidente .

Embora já houvesse alguns estudos anteriores que sugeriam que essa associação poderia existir, ela nunca havia sido explorada com um estudo que inclui uma coorte tão grande e leva em consideração tantos fatores de risco. Os mecanismos biológicos por trás dessa associação não são conhecidos com certeza, mas achamos que podem ter a ver com certos componentes do café, como polifenóis ou outros antioxidantes. Estes poderiam ser capazes de reduzir os níveis de estrogênio ou insulina, dois hormônios claramente envolvidos na origem deste tumor” afirma a pesquisadora do Instituto Catalão de Oncologia/IDIBELL e primeira autora do estudo, Marta Crous-Bou.

E adiciona “Esses resultados podem abrir as portas para a realização de ensaios clínicos com suplementos contendo esses compostos e poder realizar pequenas intervenções em grupos específicos de pacientes com maior risco de sofrer da doença para observar sua evolução. Confirmar o efeito benéfico dos compostos do café pode ter um impacto significativo na Saúde Pública, pois é uma bebida amplamente consumida em todos os lugares”.

Pode consultar o estudo em seguinte link.