Em 25 de setembro A flor de Piel realizou-se na Corunha um evento de formação experiencial, coordenado por Raquel Arbizu, especialista em marketing farmacêutico e comunicação visual na farmácia e gerente da Farmaflow. Nele, os principais referentes do sector farmacêutico contavam, a partir da sua experiência pessoal, como o sector Dermo, os serviços e o atendimento trabalham com os seus clientes, sob o prisma da emocionalidade, colocando a pele como pilar de aconselhamento na farmácia comunitária. Nesta entrevista Raquel Arbizu nos aproxima de todos esses conceitos tão em voga hoje no setor de Dermo.

Por que a comunicação visual é de importância estratégica para a farmácia.

Comunicação é uma ferramenta estratégica para qualquer empresa, organização, instituição ou pessoa. E dentro da comunicação, a comunicação visual é fundamental, pois vivemos em um mundo dominado por imagens e primeiras impressões. Um mundo, onde em menos de 7 segundos nos julgarão (primeira impressão) e em menos de 3 segundos decidirão se entram ou não num estabelecimento. Portanto, é fundamental ter uma estratégia de comunicação, e dar à comunicação visual a importância que ela merece. Mais de 80% das informações que percebemos chegam até nós à vista. Portanto, a imagem que nossa farmácia projeta tem um grande peso na forma de atuação de nossos clientes e um efeito direto nas vendas. Uma imagem adequada e a colocação correta do produto podem aumentar as vendas em mais de 15%. Não vamos esquecer que a farmácia também é uma loja de varejo. Uma loja física com fachada, vitrines, vitrines, áreas de exposição e vendas. Não devemos esquecer, nem esquecer a importância que o cliente dá ao espaço. Ter uma imagem de marca clara e bem definida, um espaço comercial adequado, bem iluminado, categorizado, com uma boa distribuição de espaço e um produto bem colocado, para satisfazer as necessidades do nosso cliente, é uma enorme vantagem competitiva. [19659006] Qual é a diferença entre comunicação visual e publicidade. Ele acredita que o farmacêutico é suficientemente treinado nesta disciplina.

Há uma grande diferença entre comunicação e publicidade. A comunicação visual, escrita e oral nos ajuda a nos conectar com o paciente e / ou cliente. Podemos usá-lo de várias maneiras: para chamar a sua atenção para algo, para dar conselhos de saúde, para focar em um problema social, para chamar sua atenção para um novo horário ou serviço. A comunicação pode ser multifacetada. No entanto, a publicidade geralmente se concentra na venda de um produto, serviço ou marca. Publicidade e comunicação podem coincidir em muitos espaços, mas não são a mesma coisa. Na farmácia temos um regulamento específico que não nos permite anunciar. Em outras palavras, não podemos anunciar nossa farmácia na mídia (jornais, rádio, TV, brochuras comerciais, etc.). Mas se pudermos realizar ações de comunicação com nossos pacientes / clientes através de nossas vitrines reais e / ou virtuais, para realizar ações comunicativas que nos ajudem a divulgar questões de saúde, agregar valor ao nosso serviço, capacitar o trabalho farmacêutico, conscientizar a população em questões de higiene, prevenção, cuidados, bem-estar, etc. A farmácia, devido ao seu regulamento, já falamos que não pode anunciar. Portanto, o que sua fachada, vitrine e interior comunicam é essencial para transmitir a mensagem certa ao nosso cliente e criar uma experiência satisfatória. Portanto, que nosso pessoal de farmácia tenha treinamento específico em Comunicação Visual, sellout e vitrines, é de vital importância. Devemos ser claros sobre o que podemos fazer e como fazê-lo. Além disso, existem diferenças entre as comunidades autônomas quando se trata de saber o que é permitido ou não em nossa área. É uma questão complexa, sobre a qual nem mesmo as próprias instituições de saúde e farmacêuticas acabam concordando.