o Hepatite C É uma doença causada por um vírus que causa inflamação no fígado. Na atualidade, apenas entre 15 e 30% dos pacientes que sofrem de uma infecção aguda conseguem eliminar a hepatite C completamente do seu corpo sem a necessidade de tratamento, enquanto nos 70% restantes, o vírus permanece e causa uma infecção crônica.

Com o objetivo de conscientizar sobre a hepatite C, cujo Dia Internacional é comemorado em 1º de outubro, o Fundação Espanhola do Aparelho Digestivo (FEAD) explica a importância de fazer diagnósticos que permitam tratar e erradicar a doença antes que ela atinja estágios mais avançados, principalmente, entre os grupos populacionais de maior prevalência (entre 40 e 70 anos). Com detecção precoce e tratamento adequado, a maioria dos pacientes com hepatite C é curada em pouco tempo e sem efeitos colaterais relevantes.

Com esta iniciativa, o FEAD apoia a campanha da Organização Mundial da Saúde (OMS)1, que elevou o objetivo eliminar a hepatite C até 2030.

Como a hepatite C é transmitida?

A infecção pela hepatite C ocorre, fundamentalmente, pelo contato através do sangue com uma pessoa infectada, como destaca o Dr. José Miguel Rosales Zabal, Perito FEAD e especialista em Aparelho Digestivo no Hospital Costa del Sol de Marbella (Málaga). De fato, A via sanguínea foi a principal forma de infecção até 1990momento em que se descobriu a existência do vírus e as transfusões começaram a ser rejeitadas nesse tipo de paciente.

Além do sangue A infecção por hepatite C também pode vir do uso compartilhado de utensílios de contato cortantes ou cortantes (como seringas, lâminas de barbear, etc.) ou a realização de tatuagens, piercings ou acupuntura sem os devidos controles sanitários ou materiais esterilizados. Da mesma forma, a transmissão da hepatite C também pode ser favorecida pela relação sexual sem medidas de proteçãopor parentes

direto, por casais com hepatite C ou de mães para filhos durante o parto, principalmente se estiverem infectados pelo HIV, explica o especialista do FEAD.

Principais sintomas da hepatite C

A infecção aguda por hepatite C é geralmente assintomáticoembora em algumas pessoas possa produzir dor abdominal, náusea, vômito ou amarelecimento da pele.

Por sua vez, a infecção crônica também não costuma apresentar sintomas (embora não seja incomum que o paciente se sinta fadiga o incluso sintomas depressivos), então podem passar anos sem saber que você tem a doença e até que o especialista a diagnostique. Isso torna mais fácil para o vírus causar inflamação sustentada no fígado e que pode até levar à cirrose. De fato, o desenvolvimento de cirrose por parte do paciente pode dar origem a maiores complicações em seu estado de saúde, como ascite (líquido livre no abdome com risco de infecção); varizes no esôfago e estômago que podem causar sangramento grave; encefalopatia hepática (alterações no comportamento ou no nível de atenção); ou mesmo câncer de fígado.

“Além disso, não devemos esquecer que o vírus da hepatite C pode não só afetar o fígado, mas também é capaz de causar diabetes ou outras doenças nos rins ou no sangue”, diz o Dr. Rosales.

Hepatite C, uma doença que tem cura

Graças ao advento de novos tratamentos antivirais orais, pacientes com hepatite C podem ser curados da infecção rapidamente e sem efeitos colaterais relevantes. No entanto, “a cura da infecção não implica a cura do dano hepático se for avançada, embora reduza o desenvolvimento de suas complicações”, diz o especialista.

Por isso, o Dr. Rosales enfatiza a importância de diagnóstico de hepatite Cprincipalmente, naquela faixa etária em que a infecção é mais frequente (dos 40 aos 70 anos), por meio de uma exame de sangue simples que detecta a presença ou não de anticorpos contra o vírus e, portanto, infecção ativa.

A hepatite C pode ser adquirida sem apresentar nenhum sintoma e esse grupo populacional pode ter a infecção sem saber. Por isso, é aconselhável consultar o seu médico de família para realizar o teste contra este vírus caso nunca tenha feito o teste ou não o conheça”, explica.