Diante da possibilidade de sofrer um AVC, agir rapidamente pode salvar vidas e prevenir sequelas irreversíveis por toda a vida.

Kiko Rivera deu entrada no pronto-socorro na manhã de ontem do hospital Virgen de Rocío, em Sevilha, e por enquanto as 24 horas serão decisivas.

Na Espanha, entre 110.000 e 120.000 pessoas sofrem um AVC a cada ano, das quais 50% sofrem sequelas incapacitantes ou morrem. Para que isso não aconteça, As primeiras quatro horas e meia após um derrame são fundamentais. Para cada minuto em que a circulação sanguínea no cérebro de uma pessoa é reduzida ou interrompida, 1,9 milhão de neurônios e 14 trilhões de conexões neurais são perdidos, enquanto uma hora sem circulação representa um envelhecimento cerebral de 3,6 anos.

No entanto, durante a pandemia de COVID-19, os casos de AVC detectados caíram de forma alarmante, razão pela qual profissionais de saúde e associação Parar curso se uniram para lembrar que, independentemente da situação atual, a visita ao médico não deve ser adiada em caso de detecção de sintomas de um possível AVC.

Estou tendo um AVC? Ligue 112

Por ser uma doença tempo-dependente, devemos estar cientes da importância de reagir rapidamente ao primeiro sintoma. No entanto, durante a pandemia causada pelo coronavírus, os profissionais de saúde observaram que, por medo de ir aos hospitais e se infectar, os pacientes demoravam a ir ao pronto-socorro.

euAs sequelas do AVC podem ser muito graves se não forem tratadas, e que o AVC pode recorrer se não houver tratamento adequado. O acompanhamento adequado por parte dos profissionais de saúde e levar uma vida saudável e equilibrada são essenciais para manter o AVC afastado. Ter apenas um desses sintomas é motivo suficiente para ligar para o 112:

  1. Não ser capaz de levantar um dos braços.
  2. Formigamento ou perda de força nos braços ou pernas.
  3. Perda súbita de visão.
  4. Perda de força no meio do rosto.
  5. Problemas para falar.
  6. Dor de cabeça forte repentina.

O que é realmente grave é ter sintomas de AVC e não receber atendimento nas primeiras horas; Não devemos ter medo de entrar em um hospital devido a um possível contágio, explica Julio Agredano, presidente da Brake ao ICTUS.