o fígado gordo ou esteatose hepática metabólica (MHmet) É a doença hepática mais comum entre os adultos, afetando mais de 20% da população adulta, segundo dados da Fundação do Sistema Digestivo Espanhol. “Na verdade, é uma patologia que não apresenta sintomas, sendo diagnosticada em muitos casos em uma análise de rotina quando se mede o índice de transaminases ou em uma ultrassonografia abdominal solicitada por outro motivo” explica o Dra. Marta Abadía, hepatologista e especialista em aparelho digestivo do Centro Médico-Cirúrgico de Doenças Digestivas.

O verão e as férias fazem-nos abandonar as rotinas alimentares e de exercício que temos ao longo do ano. “Tendemos a consumir alimentos mais calóricos, com mais açúcares (sorvete, refrigerante). Além disso, a quantidade de álcool que bebemos também está aumentando, com quantidades que podem chegar ao que se entende como consumo nocivo, que corresponde a mais de 20 gramas nas mulheres e mais de 30 gramas de álcool por dia nos homens (sabendo que uma copo de vinho ou uma garrafa de cerveja equivale a 10 gramas de álcool). Se somarmos a isso também tendemos a levar uma vida mais sedentária, é comum que os depósitos de gordura no fígado aumentem”, acrescenta o Dr. Abadía.

O fígado gorduroso é caracterizado pela presença de gordura dentro das células adiposas, chamadas hepatócitos. “Usualmente associada à síndrome metabólica, que agrupa uma série de distúrbios que incluem aumento da pressão arterial, níveis elevados de açúcar no sangue, excesso de gordura corporal na cintura e níveis anormais de colesterol ou triglicérides”, diz o especialista do CMED. Porém, Se você ganhar muito peso, não cuidar da sua alimentação e manter uma vida sedentária, isso pode favorecer o desenvolvimento de fígado gorduroso.

Para descobrir se você tem fígado gorduroso, uma consulta com um médico geralmente é suficiente. especialista identificar ffatores de risco que podem favorecer seu desenvolvimento, se as transaminases (enzimas hepáticas) estiverem alteradas em um exame de sangue e realizar uma ultrassonografia abdominal para confirmar que há um depósito no fígado.

Enquanto isso, para controlar o EHmet é importante ver se, além da gordura no fígado, há inflamação e fibrose. Quando há inflamação, você sofre do que é chamado de esteato-hepatite e não há marcadores ou exames de imagem para sua detecção. Por outro lado, no caso de fibrose Pode ser diagnosticada por exames não invasivos, como o fibroscan, através de um exame de sangue chamado ELH (Enhanced Liver Fibrosis) e outro chamado OWLiver. Em alguns casos, é necessário recorrer a exames mais invasivos, como biópsia hepática.

“Cerca de 25% dos pacientes com fígado gorduroso têm esteato-hepatite, então a dieta deve ser cuidada durante todo o ano”, diz a Dra. Marta Abadía.

Tratamento de fígado gorduroso não alcoólico

Até o momento, não há tratamento farmacológico que tenha se mostrado eficaz no tratamento dessa doença hepática. O único tratamento com evidência científica consistente é perda de peso e fatores de controle associada à Síndrome Metabólica, ou seja, ter sob controle da hipertensão, controlar os níveis de açúcar no sangue e diminuir os níveis de colesterol e triglicérides.

o dieta e exerciciosempre supervisionados por especialistas, são os tratamento mais eficaz hoje.