Mudar hábitos e comer fora durante as férias de verão aumentam o risco de reações em crianças ou adolescentes com alergias alimentares. Portanto, é aconselhável tomar precauções especiais ao viajar neste verão, de acordo com as Sociedade Espanhola de Imunologia Clínica, Alergologia e Asma Pediátrica (SEICAP).

Así, el Grupo de Trabajo de Alergia en el Adolescente de SEICAP ha elaborado una serie de recomendaciones sobre viajes para adolescentes con alergia a alimentos, en cuanto a la preparación general antes del viaje y antes de coger un vuelo, así como a los alimentos seguros durante as férias.

“Viajar com alergia alimentar pode ser um grande desafio e uma fonte de estresse e preocupação para os adolescentes, seus pais e aqueles ao seu redor., principalmente em viagens ao exterior. Porém, com um planejamento cuidadoso é possível aproveitar a experiência minimizando os riscos”explica a Dra. Marta Vázquez-Ortiz, coordenadora do Grupo de Trabalho de Alergia do Adolescente SEICAP.

Na Espanha, como no resto da Europa, as alergias alimentares aumentaram nos últimos anos. Segundo dados da SEICAP, afetam cerca de 8% das crianças espanholas, o que torna necessário aumentar ainda mais as precauções e destaca a importância da sensibilização do público sobre estas patologias.

comida segura

Adolescentes com alergias alimentares precisam evitar estritamente os alimentos aos quais são alérgicos para evitar reações, que podem ser graves. Por isso, os pediatras alergistas da SEICAP recomendam planejar onde comer no seu destino: comprar alimentos ou bebidas em barracas de rua, por exemplo, traz maior risco de contaminação e, além disso, esses estabelecimentos geralmente não possuem informações adequadas sobre alérgenos.

na União Europeia os 14 alérgenos mais importantes (leite de vaca, ovo, nozes, amendoim, peixe, marisco (crustáceos, moluscos), gergelim, soja, trigo, mostarda, tremoço/tremoço e dióxido de enxofre) devem ser claramente indicados nos rótulos dos produtos embalados e nos menus dos restaurantes.

“Muitas reações alérgicas se devem à mudança de hábitos, como comer ou comprar alimentos em novos locais para a família, onde muitas vezes não há treinamento e informações sobre alérgenos. Os estabelecimentos devem cumprir a legislação vigente para minimizar o risco de reações acidentais. A família e os próprios adolescentes devem verificar seus alérgenos toda vez que comprarem alimentos. Isso requer preparação e prática, especialmente se você estiver viajando para o exterior. Esperamos que nosso conselho seja útil para você”, diz o Dr. Vázquez-Ortiz.

Precauções ao viajar de avião

Em relação às precauções gerais ao fazer um voo de uma criança ou adolescente alérgico, em primeiro lugar, É importante conhecer a política de alergia da companhia aérea, principalmente quando se trata de levar medicamentos de resgate na cabine. A este respeito, a pessoa alérgica deve levar no avião o seu relatório médico e o plano de ação que suporta a necessidade de transportar este medicamento e alimentos consigo na bagagem de cabine, e não na bagagem despachada, durante todo o voo.

Por outro lado, em voos longos é aconselhável trazer sua própria comida para minimizar o riscos e opte por alimentos que podem ser transportados, tanto nos países onde as escalas são feitas quanto no destino.