Isso é o que ele diz José Mª Lagarón, investigador do CSIC e especialista em materiais de filtragem diante da recuperação das infecções por coronavírus que se registraram nas últimas semanas e que está fazendo com que cada vez mais especialistas lembrem a necessidade de retomar as recomendações de segurança adotadas desde o início da pandemia.

Há alguns dias o Ministra da Saúde, Carolina Darias, pediu “prudência” e recomendaBA o uso da máscara enquanto faz uma ligação para obter a dose de reforço para quem ainda não a tem. Algumas comunidades autônomas, como Catalunha, já estão aconselhando a população a usar máscaras em espaços fechados. A comissão de assessoria científica do Governo para a covid está a finalizar um decálogo de recomendações face ao aumento de infeções e internações, incluindo o cumprimento do uso da máscara nos espaços em que é indicada para todos. o Comunidade de Madrid também recomendapela boca do vice-presidente do Governo Autónomo, Enrique Ossorio, use a máscara não só por pessoas vulneráveis, com imunossupressão ou grávidas, mas todas as pessoas que estão em espaços fechados de uso público ou que frequentam grandes eventos.

José Mª Lagarón, investigador do Conselho Superior de Investigação Científica (CSIC) e especialista em materiais de filtração acredita que “embora saibamos que as infecções não estão se traduzindo em tantas internações na UTI como nas ondas anteriores graças à vacinação, ficar em espaços fechados sem máscara ainda é uma situação de risco que podemos evitar seguindo as recomendações que já conhecemos: ventilação, distanciamento social e uso de máscaras”.

Da mesma forma o Colégio Oficial de Farmacêuticos de Valência (MICOF) pediu para “trocar o chip” e reutilizar a máscara dentro de casa e nas situações em que a distância de segurança de 1,5 metros não possa ser garantida, bem como no caso de ter tido contacto próximo e estar com pessoas vulneráveis.

Desta forma, em comunicado, pediu «passo para trás» e «tenha presente» o uso de máscaras face ao aumento de infeções experimentado nas últimas semanas e apelou ao “senso comum” dos cidadãos.

O responsável pelos Chefes de Serviço de Farmácia da Escola, Santiago J. Riaza, destacou que a sociedade “já conhece as medidas básicas de segurança contra o vírus”, então agora “é necessário tê-las em mente mais do que nunca e não se descuidar”. No caso das máscaras, Ele comentou que a covid “ainda está presente” e que é aconselhável “dar um passo para trás” quanto ao seu uso “para o bem da saúde global”.

Da mesma forma, com a chegada do verão, recomendou aproveitar o bom tempo para realizar atividades de lazer ao ar livre e, “se for a bares ou restaurantes, comer nas esplanadas, bem como tomar precauções extremas ao viajar .

«Estamos em período de férias e devemos aproveitar o nosso tempo livre com responsabilidade e esforçar-nos pelo bem de todos. Já o fizemos nos verões anteriores e podemos voltar a fazê-lo”, insistiu.